quarta-feira, 8 de junho de 2011

PARA TI!


Conserva essa amor que tens no coração; demonstra que gostas de ser amada e de amar; mostra-te ao amor que cultivas, ao que te entregas, ao que te faz vida... Trata-o com se fosse uma flor em tuas mãos, enchendo suas pétalas de afagos e ternura e vida;
não deixa de regá-lo, querê-lo sempre, e dele cuidar como cuida de ti o teu amigo diário, esse infalível companheiro e indispensável confidente de todas as horas; ao teu amor, mesmo o que demora a chegar, ou que tarde chegou, faça-lhe carinho, dê-lhe motivos para se sentir feliz, nada peça e nem lhe faça cobranças; ah, querida e amada mulher, o amor não é um negócio, uma troca; dá quem o tem e o recebe quem é amado.
Se não tens a quem amar e se não és amada, deixa que teus olhos, teu sorriso, teu jeito de ser e de viver, teus gestos, digam por ti... às flores, aos amigos, aos que admiras e queres bem...
Mas não te preocupes, exageradamente, com isso. Todos vêem e sentem quando há um coração sozinho e entreluzindo no azul celeste do universo, morada do suave, sutil e sensato amor...não todo e qualquer amor que imaginamos haver no coração...posto que, pode ser apenas fruto da imaginação
A presença de um coração amoroso, cheio de nobreza e romântico, chega sutil e sem alarme, porquanto, este sim, é quieto e sábio, pois sabe vencer o tempo e a espera, e não se perde na agonia da demora, da entrega inesperada e sem horizonte... Conserva, pois, esse amor que tens no coração...Ah, divina e formosa mulher! És tão bela e airosa... Tanta ternura e carinho tens no teu olhar...no teu sorriso...no teu jeito de andar...
E são tão singelas tuas mãos; há, também, tanta doçura e encanto nos teus pequenos pés... ...e quando caminhas, têm eles, teus pés, a suavidade e a graça das nuvens, às mais límpidas, que beijam o céu; e quando os vejo, na tua inebriante caminhada, sinto que tocam o chão com a singeleza do vento que sabe acariciar, com doçura e o máximo de ternura, as pétalas das flores que vivem nos altos penhascos das mais longínquas regiões montanhosas... Tu és a canção que dá felicidade, que dá alegria à natureza e que faz os passarinhos entoarem seus cantos de amor...quando estão apaixonados... Tudo em ti é esplendor, graça e amor! Então, que o amor te encontre assim do jeito que és...do jeito que tens que ser amada e amar! Porque tu és o próprio amor disfarçado de amor!

(jose valdir pereira)

Um comentário:

  1. Excelente postagem, poeta Israel.
    Grande abraço e parabéns pelo trabalho que fazes em prol da literatura.

    ResponderExcluir