segunda-feira, 28 de março de 2011

FAZ PENA A HOMEM NASCER FICAR VELHO E SE ACABAR


O nasce e se cria
Cresce e fica adolescente
Dali a pouco se sente
Cheio de mil energia
Anos depois chega o dia
Ele começa a minguar
Sente o corpo fraquejar
Baixo, começa a dizer
Faz pena o homem nascer
Ficar velho e se acabar

Estudo para doutor
Se transforma num artista
Chega a ser um cientista
Engenheiro ou professor
Juiz, jurista, escritor,
O tempo põe-se a passar
Pega o homem a declinar
É quando começar crer
Faz pena o homem nascer
Ficar velho e se acabar

Tem a força de um leão
No vigor da mocidade
Com toda virilidade
Coragem e disposição
Amor, carinho e paixão
Em nada se ver falhar
Porém começa cansar
Quando entra a envelhecer
Faz pena o homem nascer
Fica velho e se acabar

- Quando moço a voz tão bela
Tem a força de um pistom
Mas, logo muda de som
Ficando a boca banguela
Diminui uma arruela
E começa a gaguejar
Quando pega a caducar
Perde o jeito de viver
Faz pena o homem nascer
Ficar velho e se acabar

- Nutrido, forte e sadio
Mimoso, meigo e bonito
Um bebe, pula e dá grito
Vem a morte em desafio
Lhe mata e deixa vazio
O berço daquele lar
Quase sem me conformar
Sou obrigado a dizer
Faz pena o homem nascer
Ficar velho e se acabar
- Se cresce e fica rapaz
Jovem, robusto, elegante
Quando chega o negro instante
A morte horrenda e voraz
Golpeia e bota pra trás
Do mundo perde o lugar
Tem por certeza voltar
Para em pó se converter
Faz pena o homem nascer
Ficar velho e se acabar

José Oliveira neto

*Grande amigo do nosso saudoso poeta Bidinho, ele confessou a mim que pegou esse mote de nosso conterrâneo e fez com o homem já que Bidinho tinha feito com a mulher

Nenhum comentário:

Postar um comentário