domingo, 4 de setembro de 2011

VIDA DE POETA E DE ESCRITOR...


Vida de jogador e de ator é que é boa!



Vida de jogador e de ator é que é boa. A de jornalista também, mas nem tanto. Há muita competição entre os jornalistas, e a mídia não dá muita importância aos seus agentes. Agora, ser ator e jogador de futebol...Isso é que é espetacular. No futebol, por exemplo, o jogador faz uma jogadinha espetaculosa e aí, pronto, toda a mídia (televisão, jornais eletrônicos ou não, revistas escrita, revista de televisão...) dá a maior cobertura. Se o cara é convocado pra seleção, nossa, uma badalação, babação, bajulação danada. Total. Tem cobertura pra todo lado...Véspera de jogo, durante o jogo, após o jogo...Nossa, como tem ibope e como fica na berlinda, na sala vip esse pessoal...Jogador aparece nos jornais de horário nobre, vai a programas de televisão, aparece sendo júri, participa de programas de rádio e até desfila em carro aberto, quando seu time vence um evento esportivo...Tem um castigo: fica desempregado se brigou com a mídia quando esteve fazendo sucesso. Ai, não tem um emprego de comentarista, nem participa mais de nada. É queimado mesmo! Some! Fica na sarjeta. Um pobre coitado!

E o ator de televisão? Menos ou mais? Mais, muito mais. A emissora de televisão na qual ela ou ele trabalha (talvez isso reze no contrato) só falta dizer que o cara ou ela é um deus uma deusa. Às vezes, nem é uma coisa nem outra! Mas sua emissora o eleva lá nos altos. E quando é ator de novela...Ai, ai! Sai de perto...Antes de a novela ir pro ar, participação aqui, acolá, cobertura de todas as formas, de todos os jeitos, lançamentos, entrevistas...E vem a famosa pergunta: e aí, qual vai ser mesmo seu papel nessa big novela (E a novela nem é lá essas coisas)? Vilã (ão)ou mocinha (o) comportadinha (o)? E a (o) entrevistada (o) responde: Ah, vai ser um sucesso. O autor (aquele que a (o) escolheu para fazer parte do elenco) é fora de séria. Suas novelas são sempre sucesso. Sabe como é que é, né!

Aí, antes da novela estrear, o elenco vai participar dos programas de televisão da emissora, aparece nas rádios, nos jornais...Em tudo que é lugar. É apoiado para promover a novela e, com isso, se promove também.

Às vezes, nem é alguém com exemplar desempenho no teatro, no cinema, nem na televisão, mas, com todo esse aparato à sua disposição, a mídia dando esse apoio todo...Quem é que não acaba passando de medíocre à galã, vedete e candidato ao prêmio maior, o Oscar? E tem aqueles que acabam como apresentador de programa de televisão, rádio, ganha uma coluna nos jornais...

Já na literatura, coitado do poeta e do escritor....e da poesia! Sonhando sempre com a possibilidade de ser lido e da editora aceitar a publicação do seu livro, tem que lutar para ter pelo menos uma tiragem de 500 exemplares circulando no mercado. Isso quando ele mesmo paga a editora pela publicação da sua obra. Cobertura? Divulgação? E quem disse que literatura dá Ibope? E quem disse que a mídia gosta de quem não dá Ibope? Nem mesmo a mídia mantida pelo poder público dá importância a esta classe de abnegados.

Eventos esportivos estão sempre acontecendo e o pessoal desse meio está sempre aparecendo, participando, nas premiações, nos jures, às vezes como comentaristas, etc. Na literatura, o próprio meio alija os incipientes, aqueles que estão começando. Nesses eventos culturais, literários, as oportunidades são dadas só para escritores e poetas consagrados. Os já famosos, Sabe como é que é: riqueza gera riqueza, fama gera fama, poder gera poder...Os iniciantes? Ah, esses ficam sempre no anonimato. Não poderiam, por exemplo, em cada evento nacional ou de outro nível, convidar poetas e escritores ainda no anonimato para mostrarem seus trabalhos, sua verve literária? Que nada! Mas como um poeta chega a ser conhecido, tornar-se bem sucedido, se não há apoio? E há mídia pra isso? Sei lá...Quero dizer: é claro que não! O meio só dá importância para um Drummond, um Quintana...um Fernando Pessoa...Uma Clarice Lispector...Mas, e eles precisam de apoio? Não já são famosos? É que a fama deles faz a mídida crescer, aparecer, ser lida, se eles são evidenciados...Que benefício traz um principiante para a mídia?


Vida de jogar e de poeta é que é boa. É, meu amigo, mas nem tanto. Jogador de futebol, se não for inteligente e aproveitar os poucos anos de sucesso para garantir aquela parte da vida em que seus instrumentos de trabalho (talento, condições físicas e outras circunstâncias) são ativos, terminarão tão (ou mais) pobres do que quando começou...Isso quando não termina com uma doença incurável, metido nas drogas, alcoólatra e numa profunda depressão, triste, sozinho e abandonado. Jogador de futebol pode ser vítima também dos dirigentes e dos técnicos de futebol. Podem ser postos de escanteio, ficam de castigo no banco dos reservas e têm seu futebol enterrado pela ignorância do técnico...

A vida, o final para atores e atrizes, não é tão cruel assim. Mas, fica ali colado nesse the end. Eles e elas, se não souberam administrar a riqueza adquirida no tempo do auge da carreira, olhando para o tempo em que nada mais restará a não ser lembranças, saudades e ostracismo, vão sofrer amargamente e suas lágrimas terão cor de carmim. Já vi, por exemplo, muitos atores e atrizes ignorados pelos autores de novelas...São alijados porque tiveram algum desentendimento...

Já para o escritor ou poeta, é no fim da vida que pode chegar o grande sucesso. E quando isto não acontece é porque ele já deixou o sonho no meio do caminho e foi fazer outra atividade, senão acabaria morrendo de fome. Pelo menos é capaz de descobrir isso a tempo.

De uma forma ou de outra, bom mesmo é ser jogador de futebol ou ator de televisão, cinema...Com tanto apoio assim, só não fica rico, famoso e bem sucedido quem não sabe e não quer. Apoio, condições e terreno pra isso é o que não falta...
Será? Já estou em dúvida...Enquanto escrevia este texto já aconteceram tantas coisas...

By: jose valdir pereira

Um comentário:

  1. Excelente, poeta Israel...
    Gostei deste texto no seu blog.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir